quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Resenha - Cidade de Vidro (Os Instrumentos Mortais #3) - Cassandra Clare

"... mesmo o quebra-cabeça mais complicado tem uma solução."



Não veja esta resenha se ainda não leu Cidade dos Ossos ou Cidade das Cinzas.

O final de Cidade das Cinzas deixou bem evidente que a mãe de Clary tinha uma salvação. Mas, para isso acontecer, a única maneira era ir até Alicante, entrar em contato com o feiticeiro Ragnor Fell. Para complicar as coisas, Jace proíbe Clary de viajar até lá, o que faz com que a garota crie um portal mágico, e viaje com Luke até à Cidade de Vidro - tudo de uma maneira ilegal, claro.

O clima em Alicante também não está tão bom. Valentim, o vilão mais foda que eu já vi, está completando seu "ritual" e ameaça invadir Alicante, com tropas de demônios. A Clave acha isso impossível, já que existem barreiras de proteção contra demônios.

Mas, para chegarem à um consenso e decidir o rumo de Valentim, os caçadores de sombras, incluindo Maryse, Isabelle, Alec e Jace foram para Alicante também. E junto levaram Simon, mais um problema para enfrentar.

Segredos sobre o passado da família de Clary e de Jace são revelados. Confesso que fiquei bastante impressionado com a capacidade da Cassie escrever coisas tão magníficas e que façam realmente sentido. Eu acho muito fácil dar um final sem coesão, sem nenhuma moral para uma história. Confesso que fiquei com medo que a autora fizesse isso, mas foi só medo mesmo. 

A batalha final entre os caçadores de sombras foi épica. Podemos desfrutar de lutas contra demônios, contra segredos e contra o amor, que foi uma figurinha chave para esse livro. 

Na minha opinião, acho que a Cassandra fez jus à Cidade dos Ossos e Cidade das Cinzas. Os dois primeiros romances foram tão bons, que uma conclusão precipitada não seria digna. Mas claro, como toda história, tem seus defeitos.
Achei que a Cassie excedeu-se um pouquinho na escrita. Algumas partes não chegaram a ser maçantes, mas deu um pouquinho de preguiça. 

Uma coisa: esse foi o final do problema VALENTIM, mas os outros três livros terão outro antagonista, capaz de ser mais malvado que seu antecessor.

Enfim, espero que tenham gostado, Leiam a série TMI o mais rápido que puderem. É um show de fantasia, romance e mistério.
Até mais!

sábado, 13 de setembro de 2014

Resenha - A Maldição do Tigre (tiger's curse #1) - Colleen Houck

Meu Deus! Quanto tempo que eu não apareço por aqui! Enfim, eu posso explicar... Bienal, provas, leituras atrasadas, assuntos familiares...Tudo isso aconteceu de agosto para cá. Mil perdões pela falta de atenção e consideração à vocês. Irei aproveitar esse post para dizer que teremos um book haul no Youtube com todas as coisas da Bienal e outros livros que chegaram por aqui em agosto.


Como todos já viram, hoje teremos uma resenha de  A Maldição do Tigre, livro 1 da Saga do Tigre.

Vamos lá!

"Acho que me apaixonar por ele seria como mergulhar em um precipício. Seria ou a melhor coisa que me aconteceria ou o erro mais idiota que eu cometeria. Faria com que minha vida valesse a pena ou com que eu me chocasse contras as pedras e me arrebentasse completamente. Talvez a coisa mais sábia a fazer fosse desacelerar as coisas. Ser amigos parecia tão mais simples."

Kelsey Hayes é uma garota como qualquer outra - para poder cursar sua faculdade, tem que trabalhar no Circo Maurizio. Vive com seus tutores, já que seus pais morreram. Está no ápice de sua vida, época em que um mundo de oportunidades se abre para ela. E uma delas é o

Lá no circo, a garota tem que cuidar da parte dos ingressos, da faxina e dos animais, como um lindo tigre branco, que desperta uma curiosidade imensa em Kelsey.

Com a proximidade absurda entre Kelsey e Ren, a garota é convidada (por um estranho) à ir até a Índia (um país estranho), acompanhar um tigre numa viagem (outro fato estranho).

Kelsey é abandonada pelo Sr. Kadam no meio da mata com um tigre branco em sua companhia. Sua jornada não é fácil, é pra complicar mais ainda, Ren, seu "amigo" tigre, transforma-se num humano capaz de mexer com os sentimentos da garota com um único olhar.

O sentido da saga é oferecer as oferendas à deusa Durga, assim quebrando a maldição lançada nos irmãos Ren e Kishan.  Mas poderá Kelsey se meter numa tarefa tão grande, tão mitológica, sem muitos avisos? Poderá Kelsey se apaixonar por um cara que só tem 24 minutos de "vida humana" por dia? Poderá Kelsey se apaixonar por dois caras ora humanos, ora tigres?


O-D-I-E-I com todas as minhas forças a escrita da Colleen. Sério, é muito infantil, muito boba, muito... sei lá! E quem, pelo amor de Deus, vai pra ÍNDIA com um tigre branco e um desconhecido? Que tipos de pais adotivos a Kelsey têm? Com licença, né!

Mas, em consideração, as aventuras e a premissa da história são bem legais. A Colleen teve uma ideia magnífica. Confesso que nunca me interessei muito pela Índia e nem por sua mitologia, mas agora estou fascinado. O romance é meia-boca. Odiei o Ren e adorei o Kishan. #KelseyFicaComOKishan!

A Kelsey é bem impulsiva, mas eu a adorei durantes o livro todo, menos no final, quando baixou a garota insegura nela. Autores, insegurança todo mundo têm, mas ela não precisa aparecer assim, tão rapidamente, de uma hora para a outra.
~~~~~a capa é linda!~~~~